Em 2003, um grupo formado por gestores públicos, chefes dos serviços de oncologia pediátrica e organizações da sociedade civil, motivados pelo Instituto Desiderata, deu início ao trabalho coletivo de promoção do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil que, a partir de 2005, foi chamado de Unidos pela Cura. Em 2010, o trabalho até então denominado de iniciativa, ganhou status de política quando entrou no Plano Municipal de Saúde e teve assinado o Termo de Compromisso pelos representantes das instituições corresponsáveis, inclusive o Ministério da Saúde, com o propósito de consolidar o Unidos pela Cura como a política de promoção do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil no estado do Rio de Janeiro.

Construído sob os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) – universalidade, integralidade e equidade –, o Unidos pela Cura associa uma estratégia de capacitação de profissionais de saúde da Atenção Primária para a detecção precoce a um fluxo organizado de encaminhamento das suspeitas, com o compromisso dos hospitais-polo de investigação de acolhimento das suspeitas de câncer em até 72 horas. Todas as crianças encaminhadas por meio do Cartão de Acolhimento Unidos pela Cura são registradas no Sistema de Informação que permite o monitoramento das suspeitas de câncer até o desfecho do caso.

Além das questões relacionadas ao diagnóstico precoce, temas como acesso ao tratamento, regulação dos casos de câncer infantojuvenil no estado do Rio de Janeiro, implementação do Registro Hospitalar de Câncer (RHC) e do Registro de Câncer de Base Populacional (RCBP) têm sido temas de trabalho do Comitê Estratégico – grupo gestor do Unidos pela Cura.

O trabalho desenvolvido no âmbito do Unidos pela Cura tem imprimido ao câncer infantojuvenil especial relevância na discussão sobre o cuidado à saúde da criança e do adolescente atendidos pelas unidades públicas que integram o SUS no estado.

INSTITUIÇÕES CORRESPONSÁVEIS

Saiba como funciona o Unidos pela Cura

MISSÃO
Garantir que crianças e adolescentes com suspeita de câncer cheguem precocemente aos centros de diagnósticos e de tratamento que integram o Sistema Único de Saúde (SUS) no estado do Rio de Janeiro.